Moradores de rua se distraem usando a internet.

Moradores de rua e de albergues de São Paulo passam suas tardes em postos espalhados por todo o Estado, vendo seus e-mails, jogando, estudando e procurando empregos.Tudo isso sem gasto nenhum, apenas fazendo um cadastro."O morador de rua geralmente fica o dia todo (no posto), principalmente durante a tarde", explica Pedro de Faria, 63, que trabalha há sete meses no projeto. Ele conta que alguns deles chegam ao local carregados de sacolas, trazendo tudo o que têm.Jorge Nunes da Silva, morador de um albergue na Bela Vista, diz que usa seus minutos no computador para tentar decolar na política.Já Ancelmo Moreira Silva, 32, vivendo em albergues desde que se separou da mulher, inclui em sua rotina as oficinas no albergue e tardes na internet.